Era da experimentação: especialistas dão dicas de como implantar uma gestão ágil e eficiente na sua empresa

A Indústria 4.0 e o aumento da participação da tecnologia em setores da economia e da sociedade criam novas rotinas e processos

A Indústria 4.0 e o aumento da participação da tecnologia em setores da economia e da sociedade criam novas rotinas e processos. A velocidade com que as mudanças acontecem e a necessidade de soluções inovadoras fomentam uma dinâmica de trabalho cada vez mais ágil. Tudo isso faz com que as empresas estimulem cada vez mais a experimentação: tentativas de sucesso que podem ou não dar certo, mas que devem ser frequentes.

No ambiente interno das empresas de tecnologia, por exemplo, a experimentação ganhou lugar privilegiado nas últimas décadas. De acordo com um estudo lançado pela Standish Group, grandes projetos de software só são plenamente satisfatórios a uma taxa de 2%, enquanto 17% deles costumam falhar.

As novas máximas são: falhe, aprenda e tenha sucesso, características da Cultura Lean. Eric Ries, criador da estratégia Lean Startup, afirma que o fracasso é inevitável, mas é necessário que esse fracasso seja superado de forma rápida e indolor. Dessa forma o empreendedor aprenderá com os erros a ter sucesso.

Pensando em auxiliar os empreendedores a implementar uma gestão ágil, especialistas dão quatro dicas para ajudar as empresas a construírem valor por meio do erro e validação. Confira:

 

1 - Estabeleça metas simples e de curto prazo

George Eich é sócio fundador da CoBlue, primeira empresa a construir um software de OKR brasileiro. A metodologia é baseada na ideologia lean - que prevê a entrega de valor de forma rápida e constante - e ficou famosa pela adoção em grandes empresas como Google e Spotify. George ressalta que estabelecer metas a curto prazo ajuda a identificar rapidamente o que está dando certo e o que não está, podendo mostrar para a equipe de gestão em qual caminho focar. “Para conseguir medir com precisão objetivos a curto prazo, eles não podem ser amplos ou complicados de entender. Portanto, prefira aumentar 20% as vendas por e-commerce do que aumentar o número de negócios feitos digitalmente. Assim todos da empresa conseguem trabalhar com um foco claro”, explica.

 

2- Erre, erre e erre

A validação do modelo de negócio é um dos passos mais importantes para o crescimento de uma empresa. Para alcançar objetivos ambiciosos é preciso testar diferentes métodos e ousar. Gabriel Sant’Ana, coordenador da incubadora MIDITEC defende a importância de testar modelos: “mesmo que o empreendedor acerte de primeira e tenha uma ideia inovadora e escalável, para manter a empresa sempre a frente no mercado é preciso que ele teste novas saídas e valide suas soluções. A cada erro ele está mais perto do acerto, uma vez que aprende onde deve focar a atenção e onde não pode ir”.

 

3 - Estimule a participação em todos os níveis

Para Victor Oliveira, CEO da Cheesecake Labs, a gestão ágil impacta diretamente na rotina dos colaboradores e no desenvolvimento de soluções mais efetivas, pois incentiva resultados mais rápidos e cria ambientes colaborativos. “Gerar feedbacks e integrar equipes são processos fundamentais para a satisfação dos colaboradores e para o alcance dos resultados. Estrategicamente, para as pequenas empresas é sempre importante estar reorientando os desafios, o que pode ser feito a partir de dinâmicas frequentes de participação e ciclos mais curtos de feedback, definindo metas cada vez mais altas”. Hoje, a Cheesecake Labs aplica uma gestão disruptiva de pessoas e incentiva o engajamento e a participação constante de seus 50 colaboradores tanto nas metas internas quanto nos projetos dos clientes. Com base em métodos ágeis, a empresa de desenvolvimento e design web & mobile aplica o desenvolvimento colaborativo em parceria com empresas do Vale do Silício, com a missão de criar soluções que impactem positivamente a sociedade.

 

4 - Projetos simples são melhores para avaliar e evoluir

Gustavo Dechichi é CEO da Avanti, empresa líder em soluções end-to-end (do produto ao usuário) para e-commerce e negócios digitais no Brasil. Ele afirma que dentro da área de projetos de uma empresa é importante mostrar ao cliente que o ideal é fazer um projeto enxuto e rápido para ser colocado no ar. “No e-commerce, por exemplo, muitas vezes o cliente tem em mente um projeto com muitas funcionalidades, que além de levar mais tempo para o desenvolvimento, pode não ter relevância na taxa de conversão da loja. Então vale mais a pena fazer um projeto enxuto e rápido, e depois ter um contrato de evolução. Com a loja no ar será possível analisar os hábitos de compra dos consumidores e propor evoluções que serão mais fáceis para medir os resultados efetivos”. Gustavo ainda defende que os projetos têm que ser testados quando já estão ativos. Ele acredita que não adianta fazer muitas alterações antes de colocar para rodar, uma vez que é na prática que naturalmente aparecem os GAPs e imperfeições.