Rede de Investidores Anjo de Santa Catarina anuncia aporte na construtech Welob

Startup desenvolve soluções para gestão de obra e participa do programa de incubação do MIDITEC.

Welob, que desenvolve soluções para gestão de obras, recebeu seu primeiro investimento através da Rede de Investidores Anjo (RIA) de Santa Catarina, iniciativa da Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE) em parceria com a Anjos do Brasil. O primeiro contato aconteceu no Fórum RIA, realizado em setembro de 2018, e as negociações seguiram até o início deste ano. Além do valor financeiro, haverá também a contribuição intelectual dos investidores para startup.

 

O investimento-anjo é realizado por pessoas físicas, que juntas dividem o valor do aporte, reduzindo assim os riscos da transação. Normalmente é o primeiro investimento que uma startup recebe. Ele serve para dar um pontapé inicial na empresa e pode chegar até R$ 1 milhão. “O início de uma startup é um período muito difícil, há poucos clientes e nem sempre a solução está completamente madura. Por isso estar inserido em um ecossistema e geograficamente próximo do seu investidor anjo é uma grande ajuda, afinal, o investimento é principalmente nas pessoas. O papel da RIA é conectar todas essas partes. Nós conhecemos a Welob, acompanhamos o crescimento, e o trabalho dos sócios, é uma relação construída há tempo e com muita confiança”, comenta Marcelo Cazado, líder da RIA SC.

 

Ao total, nove investidores se uniram ao grupo para realizar o aporte da Welob. A rede RIA possui aproximadamente 50 investidores que são empreendedores e executivos experientes — eles carregam conhecimento prático sobre a fundação de startups. “Além do aporte os investidores oferecem um conhecimento ímpar. Nosso objetivo com esse grupo foi o Smart Money, que é o investimento com capital intelectual, no qual o investidor colabora também estrategicamente para a empresa. Os participantes da rodada são especialistas em gestão, em financeiro, em marketing, essa bagagem é fundamental para o crescimento da Welob”, comenta Paula Lunardelli, CEO e cofundadora da Welob.

O principal produto da Welob é uma plataforma para acompanhamento de obras da construção civil. Com a solução é possível ter uma visão em tempo real do início até o fim da obra, monitorando orçamentos e possíveis atrasos, aproximando o escritório do canteiro de obra. A empresa faz parte das startups do MIDITEC, incubadora gerida pela ACATE e mantida pelo Sebrae. Durante os mais de 20 anos do MIDITEC, mais de 100 startups passaram pelo programa, e destas, 84% permanecem ativas. Nos últimos cinco anos, essas empresas faturaram R$ 830 milhões e retornaram aos cofres públicos R$ 145 milhões em impostos. Captaram, ainda, mais de R$ 175 milhões em recursos de fomento e de venture capital —  sendo que mais de 80% (R$ 139 milhões) deles foram destinados à Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), demonstrando o alto potencial tecnológico que as empresas apoiadas possuem. Em 2017 foram mais de 1,5 mil postos de trabalho gerados. Ao longo dos anos a incubadora foi reconhecida quatro vezes pela Anprotec como a melhor incubadora do país e em 2018 foi reconhecida como a 5ª melhor do mundo pela UBI Global.